Um novo malware conhecido como Agent Smith, descoberto nesta quarta-feira (10), infecta usuários por meio de clones de apps como WhatsApp, MX Player e Truecaller e substitui os programas legítimos do Android por versões comprometidas com adware. Segundo especialistas da firma de segurança Check Point, que revelaram a ameaça, o ataque já atingiu cerca de 25 milhões de celulares rodando Android 5 (Lollipop) ou 6 (Marshmallow) na Índia, Paquistão, Bangladesh e outros países asiáticos.

O código malicioso explora a vulnerabilidade Janus, descoberta no fim de 2017, para que os hackers faturem com a visualização da publicidade. A falha não afeta smartphones com Android 7 (Nougat) ou versões mais recentes do sistema do Google.

O malware é distribuído por lojas alternativas de apps Android. Uma delas é a 9apps, ligada à Alibaba, gigante chinesa do e-commerce. Segundo a Check Point, a ameaça se disfarça como APKs de aplicativos populares para estimular a instalação. Para baixar esse tipo de programa, o usuário precisa, antes, remover manualmente as proteções do Android.

Uma vez no celular, o aplicativo abre caminho para a instalação do malware Agent Smith, disfarçado de uma suposta atualização do Google. Ele, por sua vez, analisa os demais apps instalados no aparelho e faz o download de uma lista de clones com modificações no código. Após o download em lote, o malware explora a vulnerabilidade Janus para substituir os apps legítimos sem levantar suspeitas.

Na sequência, os apps falsos entram em contato com redes de propagandas e começam a exibir banners de anúncios no telefone, e os hackers faturam com a visualização da publicidade. O APK que infiltra o malware no telefone fica com o ícone oculto, dificultando a identificação da raiz do problema. O levantamento da Check Point informa que, em média, cada vítima tem 112 apps trocados por versões falsificadas.

Até o momento, as funções do malware têm sido exploradas principalmente para obter rendimentos provenientes de anúncios, mas especialistas alertam que as possibilidades são inúmeras. Em tese, o código poderia falsificar também aplicativos de banco, desde que o original já esteja instalado em um celular com Android desatualizado.

Outra preocupação está relacionada à distribuição do ataque. Embora o fluxo de infecções tenha origem em lojas alternativas do Android, os especialistas em segurança chegaram a identificar ao menos 11 apps na Google Play Store que continham porções do código usado pelo Agent Smith. O Google foi avisado e os apps foram removidos da loja.





Fonte: https://www.techtudo.com.br/noticias/2019/07/malware-troca-apps-por-versoes-falsas-e-afeta-25-milhoes-de-celulares.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Olá!

Clique em um dos nossos representantes abaixo para conversar no WhatsApp ou envie-nos um email para [email protected]

× Como posso te ajudar?