A inovação, de uma maneira geral, é associada a grandes empresas, que possuem estrutura, processos sistematizados e recursos para investir em tecnologia para geração de novos produtos e serviços. 

Assim, a maioria dos empresários donos de pequenos negócios acredita que na realidade em que atuam, inovar é muito difícil porque as equipes são pequenas e os recursos estão totalmente direcionados para o negócio atual, além do alto valor de investimento. 

As cinco etapas apresentadas pelo Sebrae ajudam os empreendedores a conceber, gerar e implementar um plano de inovação. Mas, para que isso aconteça, um requisito é que a empresa esteja motivada para inovar. Até porque nem o melhor processo do mundo irá funcionar se não houver comprometimento e dedicação de todo o time. 

Confira abaixo cada uma das etapas de inovação: 

Fase 1: Estou preparado para inovar? 

O objetivo dessa fase é fazer com que a equipe (o envolvimento do time é essencial) da empresa reflita sobre suas práticas de inovação e os resultados alcançados até o momento. 

Além disso, a empresa precisa refletir sobre problemas de seus clientes ou potenciais clientes que podem ser oportunidades para inovar. Ao final dessa fase, a empresa terá consciência do seu estágio e a infraestrutura disponível para inovar. Importante, não tenha medo de errar, isto precisa fazer parte da cultura da empresa.

Fase 2: Em que inovar? 

Durante essa fase, a empresa avalia e valida qual é a oportunidade de inovação que pode trazer maiores resultados, com base nos problemas que foram elencados com a equipe na Fase 1 e definirá aquele que tem maior mercado e que entregará maior valor ao cliente. 

É importante conhecer bem o seu cliente (ou potencial cliente) para entender ou identificar qual o problema/necessidade que ele enfrenta ou precisa resolver. Quanto melhor for a solução encontrada, maiores serão os ganhos.

Transforme problemas em oportunidades. Existem vários problemas a serem resolvidos, mas poucos são economicamente interessantes. É neste momento, também, que a empresa precisa ir para rua (mercado) e conversar com clientes para validar o problema. 

Essa fase é esquecida por muitos empreendedores, o que reduz drasticamente a chance de sucesso do lançamento do novo produto, processo ou modelo de negócio, o que causa frustração e desperdício de recursos. Ao final dessa fase, a empresa terá um problema validado. 

Fase 3: Qual é a solução? 

Uma vez identificado o foco da inovação (problema validado), o próximo passo é estruturar uma solução inovadora que atenda ao que o cliente está tentando fazer e não consegue, cuja oportunidade foi identificada na fase anterior. 

É importante desenvolver ideias de como resolvê-lo de forma inovadora: qual a melhor oferta a ser feita ao mercado? Quais as melhores tecnologias? Quais tipos de inovação posso explorar para resolver o problema? Quem já está fazendo algo semelhante?  

Na fase ideação, temos sempre dois momentos: um de ideias livres (divergente) e, depois, uma seleção das melhores ideias (convergente). 

Fase 4: Qual é o modelo de negócios? 

O objetivo desta fase é que a empresa desenvolva um modelo de negócio viável, replicável e sustentável para a solução proposta na fase anterior. A empresa deve ser capaz de capturar valor a partir da inovação e estimar custos e receitas. 

Neste momento, já será possível definir a proposta de valor, segmentos de clientes e como será o relacionamento com eles, canais que serão utilizados na divulgação e comercialização da solução, parceiros e atividades importantes no desenvolvimento, estimativa de receita e custos do projeto. 

Para finalizar, a empresa deve criar um plano de ação para a implementação, que deverá conter: prazo para execução, atividades, recursos necessários, identificação de responsáveis e principalmente os resultados a serem alcançados. 

Fase 5: Estou atento às oportunidades? 

O empreendedor precisa compreender que o processo de inovação é contínuo, por isso é preciso estar atento às oportunidades. Importante lembrar que os empresários podem contar com o Sebrae para alcançar esse objetivo de modo mais rápido e eficiente. 

Para o coordenador estadual de ecossistemas de inovação do Sebrae/PR, Heverson Feliciano, as pequenas empresas precisam buscar maior interação com o ecossistema e outros atores, não só por questões financeiras, mas também de velocidade e ampliação da visão de negócio. O ambiente colaborativo para a inovação, muitas vezes, está próximo, e pode auxiliar no processo. 

“Procure parceria. Sua empresa pode até inovar sozinha, mas, atualmente, temos vários centros de pesquisas, universidades e instituições, como Senai e Sebrae, dentre outras, que podem ajudar com conhecimento disponível gratuitamente ou subsidiado. Se envolva em atividades de sua comunidade,do ecossistema de inovação local, junto com startups. Isto poderá facilitar o seu processo de inovação”, orienta.

Fonte: https://computerworld.com.br/2020/01/26/5-passos-para-quem-quer-adotar-inovacao-dentro-da-sua-empresa/


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Olá!

Clique em um dos nossos representantes abaixo para conversar no WhatsApp ou envie-nos um email para [email protected]

× Como posso te ajudar?