Como melhorar a baixa produtividade dos profissionais no Brasil

Você já teve ter lido ou ouvido sobre a baixa produtividade dos profissionais no Brasil. É comum matérias apontando a diferença de produtividade entre os brasileiros e americanos e estudos que mostram os índices e crescimento produtivo em diferentes países.

Essa definição de produtividade é calculada com base em quanto cada profissional contribui para o PIB em cada país. Dessa forma não nos surpreende o Brasil estar distante dos países com maior produtividade, ficando em 75º no mundo.

Produtividade dos profissionais por países

Produtividade dos profissionais por países

Pior do que essa posição, é o fato de que o Brasil não tem evoluído em relação a produtividade dos seus profissionais. Em relação aos americanos a distância vem aumentando e chegando perto aos níveis de 1950, como mostra esse infográfico do Conference Board, organização americana que analisa dados de milhares de empresas em mais de 60 países. O gráfico também mostra que os trabalhadores brasileiros ainda são mais produtivos que os chineses e indianos.

Comparativo de produtividade de trabalhadores

Comparativo de produtividade de trabalhadores

Segundo especialistas, os baixos índices de produtividade no Brasil são derivados de três fatores, principalmente:

  • Baixo nível educacional e falta de qualificação técnica dos profissionais
  • Baixo nível de recursos em relação a equipamentos e maquinário e estruturas de apoio
  • Ineficiência da economia e gargalos de infraestrutura do país

O baixo nível de educação no Brasil claramente é um dos limitadores para a melhoria na produção de riquezas no país. Os brasileiros estudam, em média, 7 anos, enquanto nos EUA são em média 12 anos de estudos, incluindo ensino superior, além da diferença na qualidade do ensino. Não por acaso que a Coreia do Sul está no topo da lista dos países mais produtivos, já que é uma das nações que mais investe em educação no mundo.

Da mesma forma, os investimentos em infraestrutura, tanto pelo mercado privado como pelo governo, é ainda muito baixo. Boa parte das empresas não investe em máquinas e equipamentos e não valoriza a criação de um bom ambiente de trabalho para os seus colaboradores, o que influencia diretamente na produtividade da equipe e da empresa de modo geral.

Analisando os três fatores em separado, podemos perceber que os dois primeiros estão diretamente ligados a práticas de gestão das empresas e que é possível contornar essa baixa produtividade com uma postura voltada para a qualificação dos colaboradores e investimento adequando em máquinas/equipamentos e ambiente de trabalho favorável à produção e alto desempenho dos profissionais.

Agora, trazendo essa análise para a prática da estratégia e gestão nas empresas, fica claro que é possível alcançar níveis de produtividade de países como Estados Unidos e Coreia do Sul. Para isso, é fundamental, primeiro, atrair profissionais com bom nível de formação e investir em qualificação permanente da equipe. Em mais uma comparação, nos EUA os profissionais recebem em média 120 horas de treinamento por ano, enquanto no Brasil a média fica em apenas 30 horas.

Além disso, é fundamental aplicar boas práticas de gestão para aumentar a produtividade da equipe. Algumas medidas importantes, são:

  • Definição de metas por equipe e colaboradores
  • Valorização do trabalho coletivo e comunicação entre a equipe
  • Explorar recursos de TI, como sistemas e equipamentos modernos
  • Gestão de tarefas e acompanhamento de resultados
  • Benefícios e bônus para os colaboradores com base em resultados

Cada uma dessas medidas tem como objetivo extrair ao máximo a capacidade dos profissionais e permitir que estes desempenhem duas tarefas da melhor forma.

Também é importante ressaltar que cada empresa e equipe possui características peculiares e cabe aos gestores identificar quais os pontos mais relevantes e que devem receber mais atenção quanto ao investimento no capital humano da empresa.

Em complemento ao investimento em capital humano, é necessário também investir em equipamentos de infraestrutura, nesse caso as prioridades devem estar de acordo com o perfil de cada empresa. Por exemplo: indústrias necessitam de máquinas modernas, equipamentos de apoio de qualidade e processos muito bem definidos. Já ambientes de escritório o investimento passa por instalações confortáveis e recursos de tecnologia de qualidade, como equipamentos de alto desempenho, sistemas de gestão modernos e internet de boa qualidade.

Concluindo, o mais importante é que as empresas e gestores assumam a responsabilidade de buscarem continuamente potencializar a sua produtividade e que para isso é fundamental investir em capital humano e infraestrutura. Inclusive, essa estratégia de investimento é comum nas empresas que mais crescem e se desenvolvem no país, já que em um mercado cada vez mais competitivo, o deferencial muitas vezes passa a ser a eficiência da empresa em relação aos concorrentes.

Compartilhe conosco sua experiência ou visão sobre esse tema. Como você vê que sua empresa encara essa questão de produtividade dos profissionais e o que mais pode ser feito para alcançarmos os países que estão no topo da lista dos mais produtivos do mundo?

Autor: Cledison Fritzen
Fonte: Como melhorar a baixa produtividade dos profissionais no Brasil

Comments:0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *